quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Fugacidade

Hoje falo-vos da fugacidade da vida,porque me foi incutida em tempos controversos por alguém merecidamente capaz de mos incutir, e por isso lhe agradeço.
Não foi alguém denominado "pessoazeca" ou "pessoinha",daquelas pessoas que de tão pequenas que são se gabam da pequenez delas mesmas.Isso sim,é grave!
E a fugacidade delas mesmas reside na falha de percepção da pequenez de que são feitas,talvez porque de uma forma ou outra se sintam incapazes de se assumirem como mendicantes de faculdades mentais que lhes permitam um maior regojizo no dia do juízo final.Se dá pena?Com toda a franqueza!Não se permitem a ponderar,embora por breves instantes que a mudança lhes faz bem e é,de igual forma,a única forma de desabrocharem da falha Humana que lhes foi atríbuida por Divindades alheias a elas mesmas.

3 comentários:

Ramoa disse...

Perdoai-lhes Senhora, pois não sabem o que fazem...

Anónimo disse...

=)

Diogo Lopes disse...

Essas tristes pessoazinhas nunca saberão no estado em que se encontram pois como muito bem disseste, não possuem a faculdade do pensamento e quem não possui isso, consequentemente não possui inteligência e quem não possui essas dois dons, não se consegue olhar ao espelho,ou seja, reflectir sobre a sua Vida pois são pessoazinhas, pessoas superficiais e acomodadas no pensamento de sempre estarem certas quando nunca o estão.
A Fugacidade faz sempre bem!
Todos nós (excepto as pessoazinhas) precisamos de estar connosco próprios de vez em quando de modo a reflectir sobre nós e a nossa Vida!
Bendita seja a Fugacidade.
Adoro-t Filósofa!
Bjao