quinta-feira, 29 de maio de 2008

Quando dispensamos mais do que o tempo necessariamente admissível a
quem não tem por direito a capacidade da reciprocidade,então somos
autenticamente
seres miseravelmente ridículos.No entanto,aí reside a fé que cada um
deposita dentro de si ou projecta nos outros.Há formas fáceis e menos
penosas de acabar com a vida de alguém,assim como também existem meios
mais elaborados que requerem uma intelectualização exímia e
consequentemente dolorosa quando aplicada a uma vida alheia.Se por aí
se distingue inteligência de mediocridade ,então eu entendo.Não me
falem de uma questão de facilitismo ,falem-me antes de uma questão de
amor-próprio exacerbado.E aí,eu continuo a entender.Falem-me de uma
questão de alimento ao ego,e eu admiro-vos a coragem de o fazerem.Digam-me
que tinham tudo pensado e resumam-me tudo isto a uma
palavra;Manipulação aliada a alguma Carência parva.Aquele tipo de
Carência que resulta do TUDO que receberam e do NADA que com isso
fizeram...Então,e neste caso são vocês que me devem entendimento,chama-se Carência sim, mas de recursos facultativos e atrever-me-ia mesmo a dizer : "Carência Cerebral".Como diria alguém,não se pode ter tudo.É pena...

Sem comentários: